Bom Jesus da Lapa, cidade do Oeste Baiano, banhada pelo Rio São Francisco, é considerada o ponto alto da romaria, sendo considerada a cidade baiana da fé, atraindo turistas do Brasil e do exterior ao Santuário, seja para cumprir promessas pelas graças alcançadas, clamar ao Bom Jesus uma bênção, um milagre ou simplesmente como turismo. O fato é que a cidade recebe romeiros o ano inteiro, atraídos pelo turismo religioso, sobretudo no segundo semestre do ano. A romaria simboliza um ato de fé e devoção ao Bom Jesus. ‘

Mas como surgiu essa tradição? A gruta foi descoberta há mais de trezentos anos, quando o português Francisco de Mendonça Mor, cansado da vida de pintor em Salvador, chegou à região e passou a dedicar-se somente a Deus e encontrou uma gruta, que se tornaria o Santuário de Bom Jesus da Lapa. O “monge”, apresentava a imagem de Jesus crucificado às pessoas e curas eram realizadas, estas então voltavam para agradecer a graça alcançada e este dizia que deviam agradecer ao Bom Jesus e assim se espalhou o culto ao Senhor Bom Jesus da Lapa.

Romeiros da Bahia, do Brasil e do exterior visitam todos os anos o Santuário do Bom Jesus, motivados pela fé e pelas graças que muitos já alcançaram. A sala dos milagres está repleta de fotos e objetos em miniaturas representando as curas e bênçãos alcançadas; também na Gruta de São Geraldo há inúmeras casas em miniaturas representando as casas próprias adquiridas, pela intercessão do santo nessa causa. No Santuário também há as Grutas para visitação de Nossa Senhora Aparecida, Santa Madalena e Santa Luzia(esta é tida como protetora dos olhos e muito visitada) e do Santíssimo Sacramento.

Foto: Jocinere Soares

O Santuário de Bom Jesus é constituído de paredes rochosas, em formatos de grutas e as celebrações ocorrem na Gruta de Nossa Senhora da Soledade, sendo que para chegar até esta passa-se por uma espécie de túnel. Porém, em períodos em que o número de romeiros é bem numeroso, as celebrações à noite ocorrem na Esplanada(área externa do Santuário, onde se localiza a torre).

Além das costumeiras celebrações durante o dia e à noite, há a bênção das famílias e dos objetos, às 15 hs, onde os romeiros levam seus objetos adquiridos para serem aspergidos por água benta e receberem a bênção; vasos de água também são levados para esse momento para serem abençoados.

Além do Santuário do Bom Jesus, os turistas(romeiros) costumam visitar o Morro do Cruzeiro, a parte externa onde se localizam o local de acender as velas e fazer os pedidos, a capela do batismo e da penitência; outras grutas localizadas na cidade; o museu religioso, livrarias e lojas com artigos religiosos e a feira, onde os lapenses comercializam uma variedade de objetos, sobretudo os religiosos.

Em uma das celebrações no Santuário, no último dia (19), padre Roque Silva frisava o quanto é gratificante ver tantos romeiros visitando o Santuário e ao retornarem para suas paróquias com fé renovada cada um devia colocá-la em ação e dizia também que através da fé as pessoas da região aguentavam o longo período de seca da região.

“ A fé nos dar sustento, força e coragem para que a gente não desanime. Nós estamos no sertão, no Oeste da Bahia e nesse período esquenta mais ainda porque é o tempo de preparação para a chuva e enquanto não chove pedimos a proteção de São José”. E entoava o canto a São José.

A festa do padroeiro Bom Jesus ocorre em agosto, porém há outras festas religiosas realizadas no Santuário durante todo o ano, como a festa de São Geraldo, no mês de outubro, sendo que neste ano foi a primeira vez que a imagem do santo saiu da gruta e se percorreu as ruas da cidade em procissão.

 

Matéria: Jocinere Soares

Publicado originalmente no Tribuna do Recôncavo