Após a publicação no Diário Oficial do Estado na sexta-feira (19), da portaria número 510/2018, para descredenciar o Colégio Estadual Antônio Olavo Galvão em Santo Antônio de Jesus, alunos, professores e direção se manifestaram sobre o assunto nesta segunda-feira (22). Em entrevista ao repórter Hélio Alves, o taxista Antônio Cardoso falou que ficou chocado com essa decisão. “Todos nós trabalhamos, muitos são da zona rural e vem a noite para tentar concluir os estudos. Não está sendo fácil para nós”.

POLÊMICA: O membro do diretório do PT em Santo Antônio de Jesus, Antônio Soares, conhecido como Antônio do Sabão, afirmou ao Tribuna do Recôncavo que ficou chateado com o Governo do Estado, pois, parou de estudar há muito tempo, quer concluir os estudos e está com dificuldade. “Conclamo o governo para poder voltar atrás, a gente ficou chateado porque não foi uma coisa com discussão, com debate, foi uma coisa imposta”, desabafa Antônio.

Já a diretora do Colégio Antônio Olavo Galvão, Andrea Santana Mascarenhas, disse que em 2017 recebeu email da Secretaria de Educação do Estado dizendo que o Colégio seria desativado. “Quando procuramos informações sobre isso ninguém nos confirmou, e de lá pra cá foi uma série de informações desencontradas e não tivemos direito de defesa, o direito de ter acesso do que o colégio era acusado para ser fechado. Então, o prefeito de Santo Antônio Rogério Andrade veio aqui e nos garantiu que o colégio não seria fechado, nos desarmamos, paramos e a coisa tomou corpo. E agora fomos surpreendidos com o descredenciamento da escola”.

Ainda de acordo com a diretora Andrea, esse foi um processo que não foi transparente, “porque não nos foi dado a informação para que rebatêssemos e nos defendêssemos”, finalizou. A redação do TR se coloca a disposição dos órgãos competentes caso queiram se pronunciar. (Uanderson Alves/Tribuna do Recôncavo)

DIREITO DE RESPOSTA:

Em relação ao Colégio Estadual Antonio Olavo Galvão, localizado em Santo Antonio de Jesus, a Secretaria da Educação do Estado da Bahia esclarece que:

– A unidade escolar atendia a modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA), ofertando o Tempo de Aprender I e II e CPA – Comissão Permanente de Avaliação.

– Para o ano letivo de 2018 as ofertas foram transferidas para o Colégio Estadual Francisco da Conceição Menezes, onde estão sendo disponibilizadas 300 vagas para o Tempo de Aprender I e 300 vagas para o Tempo de Aprender II, sem prejuízo no atendimento aos estudantes.