As recentes explosões em templos cristãos coptas assumidas pelo grupo extremista Estado Islâmico, a poucos dias da visita do papa Francisco ao Cairo, deixaram o Vaticano em alerta. Mas autoridades islâmicas do Egito garantiram nesta segunda-feira (10) que não há riscos para o chefe da Igreja Católica durante sua viagem ao país, marcada para os próximos dias 28 e 29.

Segundo Kadri Abdelmottaleb, conselheiro de protocolo do grã-imã Ahmed Mohamed el-Tayeb, da mesquita sunita de Al-Azhar, a segurança do líder católico está garantida. “Posso assegurar que não haverá nenhum problema para a segurança. O Papa será bem recebido no país. Estará completamente seguro”, disse à ANSA o representante egípcio.

A Igreja Copta é cristã ortodoxa, mas não aceita o Concílio de Calcedônia e diverge da Igreja Católica Apostólica Romana. Mas, por ser cristã, é um dos alvos do Estado Islâmico. A viagem do papa Francisco atende a convites do presidente egípcio, Abdel Fattah Al-Sisi, e do patriarca da Igreja Copta Ortodoxa, Teodoro II. O último líder católico a visitar o Egito em missão oficial foi João Paulo II, em 2000. (ANSA)