A partir desta sexta-feira (27), o Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de Nazaré passa a atender, exclusivamente, casos de urgência e emergência, classificados com as cores vermelha, laranja e amarela, de acordo com o protocolo universal de Manchester. A decisão foi anunciada nesta terça-feira (24), durante reunião com o Ministério Público, as Secretarias de Saúde dos municípios de Nazaré, Muniz Ferreira, Aratuípe, Jaguaripe e Salinas, além de representantes da Câmara de Vereadores, Conselho de Saúde e Polícia Militar.

A medida tem como objetivo alinhar o fluxo de atendimentos entre a Santa Casa, o Estado e o município, responsável pela atenção básica. Mais de 80% dos atendimentos da Santa Casa no Pronto Socorro são de pacientes classificados pelas cores azul e verde (não urgentes e pouco urgentes) e deveriam ser atendidos nos postos de saúde municipais. Com isso, a Santa Casa quer salvaguardar os atendimentos aos pacientes graves, respeitando o número de procedimentos acordados em contrato pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB), que desde o mês de março reduziu em 60% o número de consultas e atendimentos.

Durante a reunião, a Promotora de Justiça de Nazaré Mirella Barros Brito demonstrou apoio à necessidade da Santa Casa em se adequar ao novo contrato com a SESAB, convocando os municípios a se adequarem para atender ao novo fluxo. “É preciso a articulação de todos os municípios porque a Santa Casa, num cenário de finitude de recursos, não tem como abarcar esses atendimentos primários, da atenção básica”.

Para o provedor Cleidson Prazeres, “a Santa Casa de Nazaré, tentando cumprir o seu papel não somente na área de saúde, mas também social, vinha atendendo, ao longo do tempo, todo tipo de paciente, porém mais de 80% desses deveriam ter sido atendidos nos Postos de Saúde dos Municípios (PSFs), conforme a classificação de risco de Manchester que é utilizada em todos os Prontos Socorros de hospitais para atendimento SUS e particular. A partir desse novo momento, não poderemos mais prestar esse tipo de atendimento”

A restrição de atendimentos no Pronto Socorro aos casos de urgência e emergência é apenas uma das medidas que devem ser adotadas pela Santa Casa de Nazaré de forma imediata. Desde o mês de março, a unidade teve o seu contrato com a SESAB reajustado, com uma redução financeira de mais de R$ 216 mil por mês (R$ 2.592.706,11 por ano), que equivale a 33% no valor total do contrato. Essa redução representa também a diminuição dos atendimentos realizados na unidade. Somente na área de internamento, a queda será de 370 para 140 internamentos gerais, contemplando procedimentos cirúrgicos, obstétricos, clínicos e pediátricos. A unidade também terá que reduzir o número de atendimentos de fisioterapia, raio-X e laboratório. Com a nova contratualização, o serviço de ultrassonografia deixará de ser ofertado.

 

Como vai funcionar o fluxo no Pronto Socorro da Santa Casa:

1) O paciente chega no pronto socorro, faz a ficha na recepção e retorna para a sala de espera, onde aguardará a triagem;

2) Após a triagem, os pacientes classificados com as cores vermelha, laranja e amarela serão atendidos de acordo com a seguinte ordem:

Amarelo: aguarda na sala de espera a chamada do médico;

Laranja e Vermelho: enfermeira classificadora encaminhará de forma imediata o paciente para o médico;

3) Para pacientes classificados com as cores Verde e Azul, a enfermeira classificadora preenche a Ficha de Referência e encaminha o paciente para o Posto de Saúde mais próximo à sua residência, conforme lista apresentada pelas Secretarias de Saúde dos Municípios.

Quando procurar o Pronto Socorro da Santa Casa?

– Em casos de risco imediato de morte, risco imediato de perda de função de órgãos e membros e em casos que possam se agravar com a falta de atendimento.

Quando procurar o Posto de Saúde do Município?

– Em casos de trocas de receitas, atestados médicos, curativos, uso de medicação, troca de sonda, apresentação de exames e dores ou irritações como enxaqueca, dor abdominal, dor de ouvido, dor na face, lombalgia, vômito, diarreia, asma sem crise, gastroenterite, resfriado, tosse, cólica menstrual e outros sintomas que não representem risco de vida.

Para mais informações: (75) 3636-2611 / 2612/ 2016

 

Informações: Toca Comunicação