Na tarde desta quinta-feira (18), o presidente Michel Temer afirmou em pronunciamento direto de Brasília, que não renunciará ao cargo: “Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos. Exijo investigação plena”, disse.

O mesmo também negou que tenha autorizado pagamentos para Eduardo Cunha ficar calado: “Não solicitei que isso acontecesse. Em nenhum momento, autorizei que pagasse, a quem quer que se seja, para ficar calado. Não temo nenhuma delação. Não preciso de cargo público e de foro especial. Nunca autorizei que utilizassem o meu nome indevidamente”, afirmou. (Uanderson Alves / Tribuna do Recôncavo)