O caso da jovem Clara Vieira, natural da cidade de Muniz Ferreira, que foi agredida pelo ex-companheiro em Santo Antônio de Jesus, ganhou repercussão ma região. A vítima relatou que sofreu calada durante três anos e agora resolveu denunciar o agressor.

A delegada Patrícia Jaques, responsável pelo setor de atendimento as vítimas de violência doméstica, explicou que a justiça determinou para o acusado, distância de 100 metros da vítima e do filho do casal, e caso ele não cumpra a medida protetiva poderá ser preso.

“Estamos no intercorrer das investigações, já temos materialidade comprovada, foi feita uma perícia no imóvel onde estou aguardando o laudo. Ele será provavelmente processado e a justiça irá decretar prisão ou não. Hoje a consequência maior para ele é em caso de descumprimento das medidas protetivas que pode resultar em prisão”, disse.

Ainda segundo a delegada, a PM havia ido à residência da vítima antes da denúncia, mas ela tinha negado a agressão por se sentir coagida pelo agressor. “Os policiais não podiam entrar na residência para comprovar. Normalmente em brigas de casal as pessoas estão com as emoções afloradas, o melhor nesses momentos é sair, respirar. A lei Maria da Penha é uma lei muito severa e estamos aqui para cumprir”, alertou.

Reportagem: Itajaí Júnior | Redação: Blog do Valente