Responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, o juiz federal Sérgio Moro abriu mão pela primeira vez de julgar um caso relacionado à operação. O magistrado declarou nesta segunda-feira (11), não ter competência para julgar a ação penal oriunda da 48ª fase da Lava Jato.

Batizada de Integração, a etapa investiga o pagamento de propina de uma concessionária de pedágio do Paraná a agentes públicos. O processo foi redistribuído para a 23ª Vara Federal de Curitiba, sob responsabilidade do juiz Paulo Sergio Ribeiro. Segundo Moro, a alteração não anula as decisões já tomadas.

Em seu despacho, o juiz alegou sobrecarga e argumentou que, apesar das conexões, a ação penal não está relacionada à Petrobras ou ao Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. O Ministério Público Federal (MPF) não quis se manifestar a respeito. (G1/ Bahia.Ba)