O Ministério Público de São Paulo arquivou a representação do Partido dos Trabalhadores em relação às viagens do prefeito João Doria (PSDB). O documento informa, conforme levantamento apresentado pela defesa, que todas as despesas são custeadas pelo tucano.

Na decisão, o promotor Marcelo Milani ressalta que “nada demonstra atitude arbitrária, nem indícios de dolo ou má-fé”. O promotor esclarece ainda que a agenda de Doria deve ser pública e fiscalizada, mas o chefe do Executivo é agente político, com jornada diferenciada, uma vez que “é prefeito em todos os momentos”.

Doria ainda tem cinco viagens nos próximos dois meses para o Norte e o Nordeste e pretende cumpri-las, mas deixará de buscar novas saídas até o fim de ano. O alto número de deslocamentos – o prefeito viajou, na média, em um de cada cinco dias de seu mandato – também é alvo de críticas. (Bahia.Ba)