A polícia localizou da noite dessa terça-feira (03), a mãe do bebê achado morto na caçamba de um caminhão de lixo em Praia Grande, no litoral de São Paulo. A mulher foi encaminhada à sede do Setor de Homicídios da Delegacia Antissequestro (Deas) para depor. Ela alegou dificuldades financeiras para cuidar da criança e foi liberada. O bebê recém-nascido foi encontrado na noite de domingo (1º), quando coletores de lixo trabalhavam no bairro Real.

Eles avistaram o corpo da menina com marcas de sangue em meio ao cordão umbilical e pedaços de placenta. O serviço foi paralisado e equipes da Polícia Militar foram acionadas. A placenta foi removida para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade e periciada. Na noite dessa terça-feira, a mulher foi localizada e detida. Em depoimento, ela contou que sofreu um aborto. A mulher, que é moradora no mesmo bairro onde o bebê foi achado, disse que é mãe de outras quatro crianças, está desempregada e não tem condições de criar mais um filho.

Ainda segundo ela, o pai do bebê não deu importância para a gestação e ela não viu outra alternativa. A mulher foi ouvida e liberada, pois não houve flagrante. Ela foi indiciada pelo crime de ocultação de cadáver. Ela passou por exames no Instituto Médico Legal para que a polícia determine detalhes sobre o fim da gestação. Os laudos vão apontar se o aborto foi espontâneo ou induzido. Por enquanto, a polícia disse não haver motivos para que ela seja indiciada por homicídio. (Noticias ao Minuto)