A defesa de Luiz Inácio Lula da Silva recorreu nesta sexta-feira (13) da decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e protocolou um pedido de liberdade imediato para o ex-presidente.

Na ação, os advogados argumentam que Lula foi preso injustamente pois ainda há recursos tramitando em segunda instância contra a sua condenação. No último sábado (7), Fachin negou um habeas corpus a Lula.

Na oportunidade, a defesa também apontou que o juiz federal Sérgio Moro só poderia decretar a prisão do ex-presidente quando esgotados todos os recursos no Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região.

Bahia Noticias