Os comitês de mobilização que o Partido dos Trabalhadores criou nos Estados para o julgamento de Lula já se preparam para organizar manifestações em caso de condenação do ex-presidente.

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a eventual detenção do petista será encarada, por integrantes da legenda, como “declaração de guerra” e senha para protestos permanentes. Com Lula condenado, mas solto, a sigla pretende inscrevê-lo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mesmo com a certeza da posterior impugnação da candidatura.

A publicação afirma que, pelo plano, o ex-presidente tocaria a campanha até ser afastado pela Corte eleitoral, em setembro, e “empurraria” um candidato na última hora. (Metro1)