A Juíza do Trabalho, Dra. Marylucia Leosney da Silveira, da 28ª Vara do Trabalho de Salvador, determinou no final da tarde desta terça-feira (19), a reintegração de todos os funcionários da Ebal. No ano de 2014, com a privatização da Ebal, mil e setecentos trabalhadores foram demitidos e 197 lojas da rede foram fechadas em todo o Estado da Bahia.

A Associação Baiana de Trabalhadores da Ebal/Cesta do Povo (Abtec) se mobilizou em prol dos trabalhadores e após cinco audiências tentando um acordo com o governo estadual, o Ministério Público do Trabalho deu entrada em uma Ação Civil Pública na Justiça do Trabalho em 28 de outubro de 2016.

Agora, o Governo do Estado da Bahia por meio da Empresa Baiana de Alimentos S/A, terá exatos 60 dias, segundo a Juíza do Trabalho, para reintegrar os 1700 servidores demitidos pela edição da Lei Estadual nº 13.204/2014, que estabelece a privatização da Ebal. Além disso, a Dra. Marylucia determinou também, a suspensão de novas demissões.

Editado por Tribuna do Recôncavo | Informações: ASCOM