Representações sindicais espalhadas em todo o país têm organizado uma paralisação nacional para o mês de agosto. Embora já circule a informação de que o ato seria no dia 10 do mês em questão, o vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores da Bahia (CUT-Bahia), Valdemir Medeiros, pondera que há questões a serem resolvidas antes de firmar a data certa. “Ainda não tem uma definição porque é uma mobilização conjunta, que a gente quer dar foco por causa das eleições, em busca da democracia”, adianta Medeiros.

Valdemir pontua que a série de pautas levantadas no ato englobam a “questão do combustível”, o aumento da conta de energia elétrica, do gás de cozinha e as campanhas salariais que envolvem diversas categorias. “E as perdas que os trabalhadores estão tendo com alimentação, vale transporte… A gente pega quase que uma pauta geral, que a gente apresenta pra que a população tenha conhecimento e pra que o governo, pelo menos, não tire o direito com esses aumentos no país que ninguém aguenta mais”, disse o sindicalista.

De acordo com a assessoria da CUT, temas recorrentes em protestos anteriores, como as reformas do governo de Michel Temer (MDB) e agora também a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também serão tópicos abordados. Além disso, mobilizações contra a venda da Petrobras, os leilões do pré-sal e o pedido pela realização de mais concursos públicos vão integrar atividades. Na próxima semana, a CUT e as demais centrais sindicais devem realizar reuniões para definir a data da mobilização, os atos e uma bandeira única.

Reportagem e redação: Bahia Noticias