Lula é condenado a nove anos e meio de cadeia

O juiz Sergio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A sentença, anunciada nesta quarta-feira, é a decisão derradeira de Moro no processo em que o petista foi acusado pela força-tarefa da Lava-Jato de receber propina da OAS, uma das empreiteiras do chamado clube do bilhão, que se refestelou nos últimos anos com contratos bilionários na Petrobras.

Entre as vantagens recebidas por Lula, segundo a acusação, está um apartamento tríplex no balneário do Guarujá, em São Paulo. É a primeira vez que um ex-presidente do Brasil é condenado por corrupção. Pouco menos de dez meses se passaram entre a acusação formal feita pelos procuradores da Lava-Jato e a sentença do juiz Moro. Ao acusar Lula, a força-tarefa apontou o ex-presidente como “chefe” do esquema de corrupção montado na Petrobras e o acusou de participar, em parceria com a OAS, do desvio de mais de R$ 87 milhões dos cofres da estatal.

“Após assumir o cargo de presidente da República, Lula comandou a formação de um esquema delituoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente, bem como, visando à perpetuação criminosa no poder, comprar apoio parlamentar e financiar caras campanhas eleitorais”, escreveram os procuradores. “Lula era o maestro dessa grande orquestra”, chegou a dizer, na ocasião, o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol. (mais…)

Veja a íntegra da sentença de Moro que condenou Lula

Confira a íntegra da sentença do juiz Sergio Moro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, e o ex-diretor de gás e energia da empreiteira, Agenor Franklin Medeiros. Confira Aqui a íntegra da sentença:

Projeto no Senado propõe transformar o funk em crime contra a saúde

Marcelo Alonso criou, em 2015, uma página no Facebook chamada ‘Funk é lixo’ e se espantou com o sucesso. Na terceira versão, a página dedicada a sentar o pau no gênero preferido das periferias tem 141.111 seguidores. O sucesso levou o webdesigner, morador de uma região periférica — Guarulhos, na Grande São Paulo — a dar um passo adiante na sua cruzada: protocolou uma ‘ideia legislativa’ no Senado com a proposta de tornar o funk crime.

Segundo a proposta, “os chamados bailes de ‘pancadões’ são somente um recrutamento organizado nas redes sociais para atender criminosos, estupradores e pedófilos na prática de crime contra a criança e o menor adolescente e ao uso, venda e consumo de álcool e drogas, agenciamento, orgia e exploração sexual, estupro e sexo grupal”.

Alonso conseguiu o apoio de 21.983 cidadãos à proposta, o que garantiu à ‘ideia’ a transformação na ‘Sugestão Legislativa 17/2017’, que tramita na Casa, podendo se transformar em lei. O projeto já tem um relator, o senador Romário (Podemos-RJ) e está em discussão na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa. “Apologia em nosso país é crime seja ela em que nível for. O funk prega o extermínio de policiais. Quem me garante que amanhã não serão médicos, professores, juízes, jornalistas”, justifica Marcelo, que já foi rapper e integrou o grupo DJs and MCs. (mais…)

Por 50 votos, Senado aprova reforma trabalhista

O Plenário do Senado aprovou na noite desta terça-feira (11), o texto principal da Reforma Trabalhista. O placar foi de 50 votos a favor, 26 contrários e uma abstenção. Agora, serão analisados pelos senadores emendas e destaques da proposta, que são sugestões de mudanças em relação ao texto principal.

A votação ocorreu em uma sessão tensa, que foi suspensa por volta de 12h10, após senadoras da oposição ocuparem a mesa do presidente Eunício Oliveira (PMDB-CE). Com isso, o peemedebista ordenou o desligamento da energia elétrica do local, o que deixou o plenário durante horas sem luz. A sessão foi reaberta horas depois, após um acordo com as senadoras. (Bahia Noticias)

Cabral nega propina de 5%: ‘Que maluquice é essa?’

Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas nesta segunda-feira (10), o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) negou cobrança de 5% de propina sobre grandes contratos do Estado.

“Nunca houve propina! Nunca houve 5%! Que maluquice é essa? O Ministério Público tem sido injusto comigo em relação a isso”, declarou o peemedebista.

Cabral foi ouvido em processo no qual é acusado de lavagem de dinheiro por meio de concessionárias de carro. Em depoimentos anteriores, o ex-governador só havia respondido a perguntas da defesa.

Cabral reafirmou ter se apropriado de sobras de caixa dois de campanha, mas negou ter dado contrapartida às empresas que contribuíram com suas campanhas. (Folha)

Rodrigo Maia “lavou as mãos” em relação ao destino de Temer

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) desabafou após saber que estava sendo criticado pelos auxiliares mais próximos do presidente Michel Temer.

“Não tenho o que fazer! Por isso, fico parado. Sem fazer nada, já estou sendo falado no Planalto. Imagina se tivesse feito um movimento mais explícito”, falou Maia a um interlocutor.

Maia tem avaliado a situação política de Temer como cada vez mais complicada. O governo tem pressionado para Maia acelerar a tramitação da votação da primeira denúncia contra Temer em plenário.

Contudo, Rodrigo Maia já lavou as mãos em relação ao destino de Temer. Ele vem afirmando, que não tem como acelerar a votação da denúncia, como pediu o Planalto. E que vai ter que seguir rigorosamente o regimento. (Gerson Camarotti/blog no portal G1)

Alckmin diz que “não há razão” para PSDB continuar no governo Temer

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou em entrevista coletiva, na manhã deste domingo (9), que não há “nenhuma razão” para que o PSDB permaneça na base do governo do presidente Michel Temer após a definição do andamento das reformas trabalhista, previdenciária e política.

A votação da reforma trabalhista no Senado está prevista para a próxima terça-feira (11). Já a reforma da Previdência chegou a ser votada em comissão especial, mas travou depois do agravamento da crise política. Já o prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB), disse não defender que o partido se mantenha no governo. Alckmin disse que o partido “deverá encerrar’ o período de permanência na base aliada.

“Hoje, o que nós devemos fazer? Aguardar o término das reformas. Terça-feira agora é a [votação da] reforma trabalhista, ela poderá ser aprovada no Senado. E aí vai à sanção presidencial. Também a reforma previdenciária a gente vai saber em pouco tempo se ela vai prosperar ou não. E a reforma política também tem data. Depois disso, eu vejo que não tem nenhuma razão para PSDB participar do governo”, ressaltou. (mais…)

Palocci diz que Mantega fez central de venda para bancos

Nas negociações para fechar um acordo de colaboração premiada, o ex-ministro Antonio Palocci diz que seu sucessor na Fazenda, Guido Mantega, montou uma de central de venda de informações para o setor financeiro durante os governos de Lula e Dilma. A sede seria o prédio do Ministério da Fazenda em São Paulo, na avenida Paulista.

Mantega faria parte de um suposto esquema de repasse de informações privilegiadas. Segundo ele, Mantega antecipava dados a respeito de juros e edição de medidas provisórias, por exemplo, que eram de interesse de bancos, em troca de apoio ao PT.

Mantega declarou, por meio de seu advogado, que vê a acusação com “estranheza”. Palocci e Mantega nunca se deram bem. (Folha de São Paulo e Bocão News)

Na véspera de votação de denúncia, Temer recebe presidente da Câmara e Senado

O presidente da República, Michel Temer, recebeu neste domingo (9) os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), no Palácio do Jaburu, onde Temer reside em Brasília. O encontro acontece na véspera da apresentação, prevista para esta segunda (10), do relatório do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) sobre denúncia contra Temer. O tema está sob análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

Zveiter disse que já concluiu o relatório. O parlamentar fluminense, que é visto pelo Palácio do Planalto como independente, declarou que não sofreu pressões durante a elaboração do documento. No parecer, o relator pode recomendar a admissibilidade ou a rejeição da denúncia oferecida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Temer foi denunciado pelo crime de corrupção passiva.

Após a apresentação do parecer, a CCJ votará o relatório. Depois, o texto será submetido à análise do plenário da Câmara. Caberá à Câmara decidir se a peça do Ministério Público seguirá ou não para o Supremo (para ir adiante, a denúncia precisa do apoio mínimo de 342 parlamentares). (mais…)

Delator diz que Geddel cobrou propina para liberar crédito da Caixa para J&F

Durante sua passagem pela Vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013, no governo Dilma Rousseff, Geddel Vieira Lima era conhecido por ser solícito nos pedidos de amigos para liberação de crédito no banco.

De acordo com o delator Lúcio Funaro, numa dessas negociatas, Geddel pediu propina ao empresário Joesley Batista para liberar um empréstimo de R$ 2,7 bilhões. Batista queria a operação de crédito para comprar a Alpargatas.

Em seu depoimento prestado à Polícia Federal no dia 14 de junho, Funaro contou que Geddel pediu propina no montante de R$ 80 milhões para liberar o pedido de Joesley Batista.

Funaro se encontra preso na Operação Lava Jato e era considerado um dos principais operadores financeiros nos esquemas de corrupção do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Geddel também está preso desde o último dia 3 no âmbito da Operação Cui Bono. (mais…)

Não me dão cargos para governar, teria dito Aleluia no Congresso

De acordo com a coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM) teria feito um desabafo em uma roda de deputados no plenário da Câmara.

“O governo que se fod… Eu elegi o Temer para governar. E não me dão cargos para governar”, teriam sido as palavras do baiano. O fato reforça os rumores de que o partido estaria mais ansioso pela queda de Temer do que disposto a tentar salvá-lo. (Bocão News)

Vereador Uberdan diz que vai votar e fazer campanha para candidato a deputado indicado por Rogério

O vereador Uberdan Cardoso garantiu votar no candidato a deputado apoiado pelo prefeito Rogério Andrade, pois faz parte de um projeto liderado pelo prefeito e que foi construído baseado em muitos diálogos.

“Eu era um candidato a prefeito, naquele momento tínhamos um projeto do governo que era a candidatura de Humberto Leite, aliado do governador junto com Rogério. O próprio partido me disse que eu deveria me candidatar em Aratuípe, foi ai que comecei a conversa com Rogério, ele já não estava satisfeito com algumas ações [de Humberto], eu era o vereador de maior oposição ao governo municipal. Fomos dialogando [com Rogério] e construímos juntos um projeto que foi vitorioso, ou seja,  eu não fui aliado de última hora de Rogério”, explicou.

Mesmo fazendo parte do PT, Uberdan Cardoso afirmou que irá votar no candidato escolhido pelo prefeito. “Vou votar e fazer campanha para o candidato que o prefeito escolher. Estou dentro do projeto que tem um passado e um futuro a ser construído. Meu projeto maior aqui é Santo Antônio de Jesus, é construirmos a cidade que a gente merece, mas precisamos manter essa parceria com o governador da Bahia”, finalizou. (Editado por Tribuna do Recôncavo | Infomações: Blog do Valente)

Reforma trabalhista deve ser aprovada no Senado

O Senado deve aprovar a reforma trabalhista proposta pela governo de Michel Temer (PMDB), em votação marcada para a próxima terça-feira (11). Levantamento realizado pela Folha de S. Paulo mostra que dos 81 senadores, 42 declaram apoio ao texto – um a a mais que o necessário para a aprovação.

Do restante dos congressistas, são contrários à proposta pelo menos 23, enquanto outros 16 ainda não manifestaram sua posição, segundo o periódico. A reformA trabalhista é considerada prioridade pelo governo do peemedebista e conta com amplo apoio das entidades empresariais.

Em alguns casos, a reforma prevê o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical e possibilidade de parcelamento de férias em três períodos, além da flexibilização de contratos de trabalho. Caso os números se confirmem, a matéria segue para sanção de Temer. (Bahia.ba)

Reforma Trabalhista: Sessão é suspensa em meio à tensão; luzes são apagadas no plenário

Aberta por volta das 11h, a sessão de votação da reforma trabalhista no plenário do Senado foi suspensa por volta das 12h10 pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Após a suspensão, as luzes foram apagadas – a oposição ocupou a Mesa para evitar o esvaziamento da Presidência da sessão.

“Absurdo: aliados de Temer apagam as luzes do plenário durante discurso contra a reforma e deixam o @SenadoFederal nas trevas!”, reclamou a senadora Lídice da Mata (PSB-BA). A congressista foi uma entre os que já fizeram pronunciamentos na tribuna, ocorridos em meio à forte tensão.

“Peço ao líder do governo: ‘Ponha a mão na consciência. Veja que não é possível impor à nação isto’”, afirmou a socialista, classificando o momento como “um dia penoso”. (Bahia Noticias)

STF nega pedidos de suspensão de denúncia contra Temer

Foram rejeitados neste domingo (9), pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, dois pedidos para suspender a tramitação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O primeiro foi um pedido dos deputados Afonso Motta (PDT-RS) e André Figueiredo (PDT-CE) que queriam suspender a tramitação até que o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), colocasse em votação pedidos para ouvir o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a denúncia. Já o segundo pedido negado foi apresentado pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), com a mesma pretensão, de ouvir Janot

Cármen Lúcia negou os pedidos de decisão liminar (provisória) apresentados pelo PDT e por Molon. “Na esteira da legislação vigente e da consolidada jurisprudência deste Supremo Tribunal na matéria, indefiro este mandado de segurança (art. 10 da Lei n. 12.016/2009) , prejudicado , por óbvio, o requerimento de medida liminar”, diz o resumo da decisão sobre o pedido do PDT no andamento processual. A íntegra ainda não foi divulgada pelo Supremo. (Metro1)

‘Nós vamos retomar o governo do Brasil’, diz Dirceu

O ex-ministro José Dirceu (PT) enviou uma mensagem para a militância petista com a afirmação de que continua “na luta” e que o partido irá retomar o governo. O ex-ministro diz que “o poder foi tomado na mão” e que “rasgaram a Constituição” e o “pacto social”.

O Supremo Tribunal Federal revogou no dia 2 de maio o decreto de prisão preventiva contra o ex-chefe da Casa Civil, por 3 votos a 2. Dirceu estava preso desde 3 de agosto de 2015, por ordem do juiz federal Sérgio Moro. (Bahia.ba)

Voltar à página inicial