web analytics

Cratera no Quênia sinaliza divisão do continente africano

Foto: Sylvain Liechti/ UN/ Fotos Públicas

No continente africano apareceu uma enorme rachadura de 15 metros de profundidade e 20 metros de largura. Segundo avisam cientistas, o continente africano está se separando em dois. Além disso, quando o fenômeno surgiu, provocou muitos danos, isto é: destruiu estradas, linhas elétricas e edifícios residenciais. Neste contexto, a especialista em geologia Lucía Pérez Díaz explicou ao The Conversation quais são as possíveis causas do acidente geográfico. A especialista observou que a Terra sempre sofre várias alterações, sem que notemos. As placas tectônicas são um bom exemplo desse processo.

Elas não permanecem estáticas, e seu movimento permite supor que o continente africano está se partindo em dois. Às vezes, o movimento das placas tectônicas resulta em seu rompimento. Um exemplo deste tipo de fenômeno seria o Rifte Africano Oriental — uma rachadura de mais de 3.000 quilômetros de extensão. Provavelmente é este rifte que provocará a divisão do continente em duas partes. Não obstante, o aumento das fissuras é um processo muito lento. Por exemplo, o movimento das placas nessa região ocorre com velocidade de 2,5 a 5 centímetros por ano.

Ou seja, devem passar milhões de anos antes que a rachadura se torne tão grande que a água do oceano a inundará por completo. África está se separando em duas partes ao longo da Somália e Quênia. Levará milhões de anos, mas África finalmente se separará em duas partes desiguais e um novo mar se formará entre elas. O recente surgimento da rachadura no Quênia contribui para a divisão do continente. Os especialistas destacam que fenômenos parecidos frequentemente resultam de atividade sísmica ou vulcânica. (Informação: Sputnik News)

Cientistas descobrem 81 aldeias ‘perdidas’ que podem recontar a história da Amazônia

Foto: Junior Silgueiro/ GCOM-MT

O desmatamento é uma ameaça à Amazônia, mas desta vez foi peça chave para uma descoberta arqueológica que pode recontar a história da maior floresta do mundo. Graças a imagens aéreas de áreas desmatadas no Mato Grosso, um grupo de arqueólogos da Universidade de Exeter, no Reino Unido, descobriu 81 aldeias que, segundo seus cálculos, foram habitadas por entre 500 mil e 1 milhão de pessoas entre os anos de 1200 e 1450. Um aspecto interessante da descoberta é que os assentamentos ficam distantes dos principais rios, o que contraria a tese de que as maiores populações anteriores à chegada dos europeus na América se concentravam em torno de grandes fontes de água.

Até pouco tempo atrás se estimava que, antes da colonização, viviam 8 milhões de pessoas nos 5,5 milhões de quilômetros quadrados da Amazônia. Mas a recém-descoberta área de tribos sugere que só em 2 mil quilômetros quadrados viviam cerca de 750 mil pessoas. “Esta é só mais uma peça no quebra-cabeças da Amazônia”, disse à BBC o arqueólogo brasileiro Jonas Gregorio de Souza, coautor do estudo, publicado nesta semana na revista “Nature Communications”. “Há regiões da Amazônia sobre as quais não se sabia absolutamente nada. Essas áreas desmatadas nos ajudam a entender melhor as populações que viviam aqui e como se relacionavam com a paisagem.”

Conforme o pesquisador, possivelmente esses povos combinavam agricultura em pequena escala com o manejo de árvores frutíferas, como castanheiras. Do céu, o que chamou a atenção dos pesquisadores foram os geoglifos, que são valas cavadas na terra em formatos geométricos, como círculos, quadrados e hexágonos. Acredita-se que estas valas eram utilizadas para demarcar as vilas fortificadas. No solo, os pesquisadores encontraram o que é conhecido como terra preta, um tipo de solo muito fértil que se forma em locais onde humanos tenham se assentado durante muito tempo. Ao escavar, encontraram restos de cerâmica e objetos como machados fabricados com pedra talhada. Antes, já haviam sido encontrados assentamentos similares centenas de quilômetros ao oeste destas aldeias. (mais…)

Estudo alerta que 88% dos celulares nas salas de cirurgia estão contaminados por bactérias

Foto: Alberto Coutinho/ GOV-BA

Os celulares podem ser agora vilões para a medicina. Uma pesquisa, realizada pelo cirurgião Cristiano Berardo, da Universidade Federal de Pernambuco, revelou que 88% dos smartphones nas salas de cirurgia estavam contaminados por bactérias que podem causar infecções hospitalares. O estudo analisou 50 aparelhos de cirurgiões, anestesistas, enfermeiros e profissionais que trabalham no bloco cirúrgico cardíaco do Hospital Português de Recife.

As bactérias estavam presentes em 44 telefones. “Analisar 50 celulares pode parecer pouco significativo, mas nós, profissionais de saúde, sabemos que a prática é comum em muitos hospitais”, afirma Carla Sakuma, infectologista da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Responsável pelo controle da infecção hospitalar do Hospital Português, Millena Pinheiro diz ser inviável proibir o uso dos smartphones. “A pesquisa é um alerta. No entanto, não devemos querer banir aparelhos, nem imaginá-los estéreis”, alega a infectologista. (Metro1)

Hawking pediu fórmula dos buracos negros em sua lápide

Foto: Paul E. Alers/ NASA

O físico mais famoso do mundo, Stephen Hawking, desejava que sua fórmula matemática criada para calcular a energia emitida pelos buracos negros fosse descrita na lápide de seu túmulo. A informação foi revelada à ANSA nesta quarta-feira (14) pelo físico Remo Ruffini, diretor do Centro Internacional de Relatividade e Astrofísica (ICRANet), que ajudou na construção da fórmula.

Segundo Ruffini, Hawking expressou esse desejo repetidamente, mesmo “depois de um seminário que eu tinha realizado em Cambridge e fui convidado para jantar em sua casa junto com Roy Kerr”, famoso matemático da Nova Zelândia. Na ocasião, os dois responderam brincando que a fórmula não era só dele, mas de todos. “Com sua ironia e sua serenidade Hawking foi um exemplo de uma vida única e surpreendente para mim”, disse.

“Uma das memórias mais vívidas é o sorriso nos olhos dele e o grande afeto entre nós que permeou minha vida em todos esses anos”, finalizou o físico. Hawking faleceu nesta quarta-feira (14), aos 76 anos de idade. Ele revolucionou a história com as suas teorias do espaço-tempo, o Big Bang e a radiação dos buracos negros. O físico sofria de esclerose laterla amiotrófica (ELA). (Informações: ANSA)

Descoberta em múmias revoluciona o que sabemos sobre Egito Antigo

Foto: Divulgação/ Museu Britânico

Descobertas há mais de 100 anos, duas múmias egípcias de mais de 5 mil anos deixaram os arqueólogos surpresos perante uma recente descoberta. Somente agora os pesquisadores concluíram que as manchas que elas tinham nos braços eram, na verdade, tatuagens. Usando raios infravermelhos, os profissionais acharam ilustrações figurativas feitas nos corpos das duas múmias. A revista de arqueologia Journal of Archaeological Science foi o periódico científico que publicou os detalhes.

A descoberta teria “transformado” a ideia que os cientistas tinham de como as pessoas daquela época viviam, relata Daniel Antoine, curador de Antropologia Física do Museu Britânico e um dos autores do trabalho. “Apenas agora estamos tendo maior clareza sobre como era à vida desses indivíduos notavelmente preservados. Com mais de 5 mil anos de existência, eles mostram que as tatuagens na África apareceram mil anos antes do que as evidências mais recentes sugeriam”, disse. No homem, as imagens obtidas por scanner revelaram que as tatuagens representam dois animais sobrepostos. Uma delas parece ser a de um touro selvagem com um rabo grande, e a outra, a de um carneiro com chifres.

Até que a descoberta viesse à tona, os arqueólogos acreditavam que apenas as mulheres tinham tatuagens naquela época. A múmia feminina tem quatro pequenos motivos em formato de “S” no seu ombro direito. Supostamente, o pigmento usado é fuligem. Os estudiosos acreditam que as tattos indicariam um determinado status dentro da comunidade. Podem indicar coragem ou um certo conhecimento mágico. As múmias foram encontradas em Gebelein, a 40 km do território onde hoje fica Luxor. O homem e a mulher viveram entre 3351 a.C. e 3017 a.C., indica a análise de carbono 14. Outro exame aponta que o homem foi esfaqueado quando tinha entre 18 e 21 anos. (Noticias ao Minuto/ BBC)

Associação espera ter até sexta autorização para plantar maconha medicinal em Salvador

Foto: Reprodução/ Arquivos AFP

A Cannab, uma associação de pesquisa e desenvolvimento da Cannabis medicinal, entrou com uma liminar junto à Justiça Federal pedindo autorização para produzir a planta com o objetivo de extrair um óleo para a produção dos remédios CBD e THC. O processo tem como réus a União e a Anvisa e foi distribuído para a 6ª vara cível federal. Apesar de não existir um prazo para o julgamento, a expectativa da Cannab é que uma decisão sobre o caso saia até esta semana. Com a permissão, ela planeja fazer a plantação em Salvador para produzir a medicação que deve beneficiar crianças e adultos que têm microcefalia, autismo e estado epiléptico refratário, por exemplo.

A Cannab é uma organização sem fins lucrativos, criada na capital baiana em 2017 com o intuito de apoiar e dar suporte a pessoas que precisam do CBD e THC. Ela possui cerca de 300 pacientes em seu cadastro. No entanto, a liminar protocolada junto à Justiça Federal é voltada para apenas 50 deles, que já conseguiram através de algum neurologista a prescrição e o relatório médico para ter acesso aos medicamentos. “São poucos médicos que prescrevem aqui na Bahia – ou por desconhecimento de causa ou por preconceito – e os que prescrevem tem a consulta muito cara. Não atende o que a gente está buscando, que são pacientes de baixa renda”, declarou Leandro Stelitano, presidente da Cannab, em entrevista ao Bahia Notícias nesta terça-feira (27).

Segundo o advogado que representa a associação, Mário Araújo Filho, a juíza responsável deve priorizar o caso por se tratar de uma questão de saúde. “O juiz não tem prazo para julgar, mas o que me foi dito ontem [segunda-feira] pela assessoria da juíza, foi que como se trata de um caso de saúde, ela teria colocado esse processo como prioridade e provavelmente teríamos um julgamento até o final desta semana”, declarou o advogado ao Bahia Notícias. Ele ressaltou que a juíza pode ainda optar por consultar a União e a Anvisa antes de tomar uma decisão. Caso ela indefira a liminar, a defesa promete entrar com recurso. Stelitano explica que um dos grandes benefícios que a Cannab pode proporcionar caso tenha a liminar deferida é proporcionar os medicamentos derivados da Cannabis a um baixo custo. (mais…)

Google Earth registra algo inimaginável que cruza a Terra

Foto: Reprodução/ YouTube

Uma linha branca de uns 20.000 quilômetros entre a Antártida e o Polo Norte pode ser observada através da aplicação Google Earth. O fenômeno estranho provocou várias especulações por parte dos internautas.

Na página do YouTube, SecureTeam10, apareceu uma gravação dedicada ao espetáculo anômalo. Os autores do vídeo explicam que a linha invulgar é demasiado longa para ter sido criada por uma aeronave. Também não parece muito provável que as nuvens tenham criado o fenômeno.

No entanto, alguns internautas opinam que o que ocorre é que a imagem é simplesmente composta por várias fotografias de satélites. Assim, a linha poderia aparecer devido à fusão de diferentes capturas. (Noticias ao Minuto/ Sputnik)

Bramon confirma que clarão no céu visto por baianos foi provocado por um meteoro

Foto: Reprodução/ Ufba

A Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) confirmou que o clarão que assustou os baianos na noite de segunda-feira (20), foi causado por um meteoro de tamanho considerável. O corpo celeste atravessou a atmosfera e explodiu no mar a cerca de 92 km da costa.

A suspeita anterior era de que um foguete russo poderia ter provocado o clarão. O fenômeno foi visto por moradores da capital baiana, como também pelas populações de Amargosa, Ilhéus e outras cidades espalhadas pelo interior do estado, além de Sergipe. (Bahia Noticias)

Dois planetas ‘habitáveis’ são encontrados a 39 anos-luz da Terra

Foto: Divulgação/ NASA

Um grupo de cientistas da Hungria descobriu dois planetas que podem ser ‘habitáveis’ – isto é, apresentam condições parar gerar vida semelhante à que existe na Terra.

De acordo com o ‘Diário de Notícias’, os planetas foram achados, ainda em 2017, orbitando a estrela anã conhecida por Trappist-1, que está localizado a 39 anos-luz da Terra. No total, foram encontrados 7 planetas nesta zona.

O estudo, que será publicado na revista especializada Astronomy & Astrophysics, aponta que seis destes planetas provavelmente têm água. No entanto, apenas os planetas “d” e “e” têm maiores chances de serem habitáveis, pois apresentam temperaturas mais favoráveis. (Noticias ao Minuto)

Terra atinge sua máxima velocidade e proximidade do Sol

Foto: Divulgação

Esta quarta-feira (03), a terra alcançou sua máxima velocidade orbital, tendo acelerado 3.420 quilômetros por hora acima da média. O fenômeno é conhecido como periélio – o ponto de maior proximidade ao Sol durante sua órbita anual, informa o RT.Geralmente, a Terra gira ao redor do astro em uma órbita elíptica de 930 milhões de quilômetros a uma velocidade média de 107.280 quilômetros por hora. Esta distância é coberta em 365 dias e quase seis horas.

É por isso que, a cada quatro anos, no calendário se acrescenta um ano bissexto, escreve o RT. No entanto, segundo a segunda lei do astrônomo alemão Johannes Kepler, esta velocidade de translação varia e aumenta até chegar ao máximo no periélio, atingindo também a menor distância do Sol, até alcançar 110.700 quilômetros por hora. Pelo contrário, durante o afélio, a velocidade se reduz a seu mínimo de 103.536 quilômetros por hora.

Kepler foi o primeiro a descobrir, em 1609, que os planetas se deslocam ao redor do Sol descrevendo órbitas elípticas com o maior astro localizado no centro. O periélio de 2018 teve lugar às 5h34 UTC (3h34, horário de Brasília) de 3 de janeiro, enquanto o afélio será em 6 de julho às 17h56 UTC. A distância da Terra em relação ao Sol muda porque sua órbita não é perfeitamente circular mas ligeiramente alongada, uma característica conhecida como excentricidade da órbita. No caso da Terra, este indicador é baixo, por isso as diferenças nos dois hemisférios são de pequena escala. (mais…)

Trinta ovos de dinossauros são encontrados na China

Foto: Reprodução/ China News Service

Um ninho de dinossauros “perfeitamente conservado” foi encontrado em um canteiro de obras na China. Cerca de trinta ovos estavam dentro da terra, onde está sendo escavada a fundação de uma nova escola, na cidade de Ganzhou, na província de Jiangxi. Especialistas acreditam que os ovos tenham mais de 130 milhões de anos e tenham sido postos no período Cretáceo.

Os trabalhadores informaram que não sabem como os fósseis sobreviveram a explosões que estão sendo realizadas no local. Os ovos foram encaminhados para o Museu de Dayu, onde estão sendo analisados. Dentre os dinossauros que viviam no período Cretáceo estão: Tiranossauros rex, Velociraptor e Triceratops de três chifres.

A cidade de Ganzhou já foi palco de diversas descobertas e é considerada, segundo o Mirror, como a mais produtiva em achados de oviraptorosauros (dinossauros com penas e aspecto de pássaros) do mundo. (Noticias ao Minuto)

NASA posta foto ‘tenebrosa’ do Sol na véspera do Dia das Bruxas

Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, mais conhecida como simplesmente NASA, publicou uma imagem “sombria” do Sol nas vésperas do Dia das Bruxas. A aparência estranha da estrela se explica pelo fato de algumas regiões ativas estarem emitindo mais luz e energia que outras. A NASA acompanhou a imagem com uma explicação científica deste extravagante “traje” solar.

“Esta imagem combina dois conjuntos de longitudes extremas de onda ultravioleta, de 171 e 193 angstroms, tipicamente em cor dourada e amarela, para alcançar uma aparência adequada ao Dia das Bruxas”, explicou a entidade. A foto do sol “tenebroso” foi tirada em outubro de 2014. (Informações: Sputnik)

Teste consegue eliminar HIV de corpo de animal vivo pela 1ª vez

Cientistas da Universidade Temple, na Flórida, em parceria com a Universidade de Pittsburgh, alcançaram um resultado importante na luta contra o HIV. Pesquisa conduzida na Lewis Katz School of Medicine (LKSOM), associada à Temple, conseguiu eliminar completamente o vírus de camundongos que haviam recebido células humanas infectadas com HIV. As informações são da revista Veja.

“A equipe é a primeira a demonstrar que a replicação do HIV-1 pode ser completamente suprimida e o vírus é eliminado de células infectadas em animais com uma poderosa tecnologia de edição de genes conhecida como CRISPR/ Cas9”, informa o site da LKSOM.

A pesquisa foi coordenada por Wenhui Hu, MD, PhD e professor associado no Centro de Pesquisa de Doenças Metabólicas e do Departamento de Patologia da LKSOM; Kamel Khalili, PhD. Laura H. Carnell professora e presidente do Departamento de Neurociências, diretora do Centro de Neurovirologia e diretora do Centro Compreensivo de NeuroAIDS da LKSOM; e por Won-Bin Young, PhD. (mais…)

Cientistas japoneses desenvolvem a ‘pele eletrônica’ mais fina do mundo

Pesquisadores no Japão estão desenvolvendo a “pele eletrônica” mais fina do mundo. Trata-se de um conjunto de circuitos feitos como materiais orgânicos, como plástico, que são mais flexíveis e podem ser “vestidos” pelo usuário.

A versão criada por cientistas da Universidade de Tóquio tem uma espessura dez vezes menor do que a de uma célula cutânea. Ao mesmo tempo em que é mais leve do que uma pena, é também muito resistente – pode ser dobrada e esticada sem gerar danos aos seus componentes.

A meta é que esse tipo de aparelho seja usado para monitorar a saúde de uma pessoa, funcione como uma tatuagem eletrônica ou crie até mesmo uma tela “de mão”. Em seu estágio atual, a tecnologia permite exibir um único número digital. “O próximo passo será incluir mais dígitos e depois fazer uma tela de alta definição”, diz o pesquisador Takao Someya. “Isso será possível dentro de quatro ou cinco anos”. (Bem Estar)

Cientistas dizem ter achado pela 1ª vez uma atmosfera ao redor de planeta semelhante à Terra

Em um estudo publicado no “Astronomical Journal”, eles dizem que o planeta GJ 1132b, que tem 1,4 vez o tamanho da Terra e fica a 39 anos-luz de distância, na constelação de Vela, é encoberto por uma espessa camada gasosa de água, metano ou uma mistura de ambas as substâncias.

Descobrir e identificar a composição de uma atmosfera é um passo importante na busca por vida fora do Sistema Solar. Mas é improvável que o GJ 1132b seja habitado: a temperatura em sua superfície gira em torno dos 370 ºC. “Até onde sabemos, a temperatura mais alta que a vida suporta na Terra é 120 ºC”, diz John Southworth, pesquisador da Keele University, na Grã-Bretanha.

A descoberta do GJ 1132b foi anunciada em 2015. Apesar de ter um tamanho similar ao da Terra, ele orbita uma estrela menor, mais fria e menos brilhante que o Sol.

Usando um avançado telescópio do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile, pesquisadores estudaram o planeta ao analisar como ele bloqueia a luz de sua estrela quando passa em frente a ela.  Mas as diferentes moléculas na atmosfera de um planeta (caso tenha uma) absorvem a luz de formas distintas, o que permite buscar por sinais químicos de sua composição. (mais…)

NASA faz grande anúncio sobre existência de vida em Marte

Os cientistas terminaram há pouco uma investigação para saber se existiu vida nos vastos oceanos que antigamente cobriam o Planeta Vermelho. A pesquisa, publicada no jornal Science Today, examinou os dados captados pela sonda espacial MAVEN, que está orbitando o planeta.

“É possível que a vida microbiana possa ter existido na superfície desde os primórdios da história do planeta”, comunicou o porta-voz da NASA Trish Chamberson. “À medida que o planeta ficava cada vez mais frio e seco, alguma forma de vida pode ter sido empurrada para debaixo do solo ou forçada a viver em raros oásis na superfície”.

Segundo o cientista Eslayed Talaat que trabalha com o programa MAVEN, esta descoberta é um passo significativo para desvendar o grande mistério do ambiente antigo de Marte. Os pesquisadores revelaram que os ventos solares despojaram Marte do gás nobre argônio e do dióxido de carbono (CO2). (Informações: Sputnik Brasil)

Voltar à página inicial