O ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco deu o primeiro depoimento para a CPI da Petrobras da Câmara, nesta terça-feira (10), e admitiu o recebimento de propinas e a divisão delas com o PT. Ele afirmou ainda que recebeu um pedido de reforço financeiro de João Vaccari Neto e que, por isso, providenciou o repasse de US$ 300 mil para a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) em 2010.

Ele afirmou que em 2010 foi solicitado pela empresa holandesa SBM para patrocínio de campanha da petista, mas que não forneceu o dinheiro diretamente. “Eu recebi o dinheiro e repassei para o João Vaccari Neto”, disse Barusco. A mesma informação foi citada pelo ex-gerente da estatal em sua delação premiada ao Ministério Público. Caso confirmado os detalhes do relacionamento com o tesoureiro, com registros como câmeras internas dos hotéis e dados telefônicos, podem comprovar a proximidade entre Barusco e Vaccari. (G1)