É comprovado por especialistas que a ludicidade é fundamental para o desenvolvimento integral da criança na educação infantil. Quando a criança utiliza jogos ou brincadeiras desenvolve a psicomotricidade, a socialização, aprende a lidar com regras, desenvolve o espírito de cooperação, a criatividade, a imaginação, a atenção, etc, que favorecem  à aprendizagem.

Mas e as demais fases da vida, não necessitam da ludicidade?

Embora a ludicidade seja mais retratada na educação infantil, ela é essencial em todas as etapas da vida do aluno e do sujeito, seja na infância, adolescência ou idade adulta, constituindo uma fonte riquíssima para a aprendizagem destes. Assim, podemos dizer que a ludicidade não é exclusiva somente para uma fase de vida do sujeito, mas deve lhe acompanhar durante toda sua vida. Um exemplo disso, foi o depoimento de uma senhora, que está cursando a EJA e declarou o quanto está sendo satisfatório ir para a escola devido aos momentos lúdicos promovidos pela professora de uma determinada disciplina.

A ludicidade é essencial para a vida do sujeito e vários teóricos defendem essa visão. Segundo Vygotsky, “O jogo da criança não é uma recordação simples do vivido, mas sim a transformação criadora das impressões para a formação de uma nova realidade que responda às exigências e inclinações dela mesma”.

A ludicidade também é uma ferramenta indispensável nas intervenções  psicopedagógicas, através de jogos e brincadeiras, o psicopedagogo  analisa como a criança/adolescente interage com o objeto em questão; o que  expressa de maneira espontânea? Como reage? O que expressa do seu mundo interior?

Vale ressaltar que tanto nas atividades pedagógicas quanto psicopedagógicas exige que o mediador (professor ou psicopedagogo) prepare com antecedência as atividades lúdicas (elas devem ser devidamente elaboradas, ter objetivos definidos e planejamento). O que se espera com essa ação? E após a aplicação avaliar: essa atividade surtiu o efeito esperado? Quais pontos positivos e negativos? Como o aluno (em sala), cliente(no consultório), reagiu? Os objetivos foram alcançados?

(Jocinere Soares – colunista do Tribuna do Recôncavo, é pedagoga, pós graduada em psicopedagogia clínica e institucional e graduanda em matemática). Clique AQUI para ver mais comentários:

COMENTÁRIOS: 

Maria do Carmo da Silva Santos: Como enfatiza a Prof. Jocinere, a ludicidade é uma ferramenta de essencial importância no fazer pedagógico, independente da faixa etária,favorecendo de forma significativa o processo de aprendizagem. Eis um tema pertinente à educação e aos educadores!