Após a publicação em sites e redes sociais do poema de Joselito Fróes, radialista da Rádio Recôncavo FM em Santo Antônio de Jesus, referenciando a nascente do Beija-flor no município de Itiruçu (próximo a Jaguaquara), várias pessoas começaram a chamar à atenção para que sejam realizadas campanhas de preservação da nascente.

Em pouco menos 1 km da nascente, entulhos acompanhados de lixo são despejados naturalmente no local, e não há projeto de reflorestamento nem a limpeza da nascente. Outro problema que atinge a nascente são as constantes queimadas.

Quem se manifestou sobre o assunto nesta quarta-feira (09), foi a desenhista Itiruçuense Maria Adair, convidando membros do grupo Filhos de Itiruçu a desenvolver campanhas e ações para salvar o Beija-flor.

“O BEIJA- FLOR era a grande riqueza de nossa cidade. Era de lá que saía a água para abastecer todas as casas da região (…) oferecendo o líquido mais precioso da vida para os habitantes da região. Vamos fazer uma campanha para salvar o BEIJA-FLOR?”, propôs.

Confira o poema de Joselito Fróes:

BEIJA-FLOR

Um rio ferido na sua nascente

E a culpa é dessa gente que não sabe respeitar.

Água suja que me sufoca,

Lixo e descaso na minha encosta

Não estou por me aguentar.

Os meus pingos ainda matam a sede

Hoje nem mato e nem rede

Estão a me acompanhar.

Nem pássaro me beija

Nem flor me embeleza

Estou a agonizar.

Roupas estendidas nas erosões

Baldes e corotes choramingam a vazar.

Ontem fui realidade

Hoje ficando na saudade

E ninguém pra me ajudar.

Quando definitivamente eu for embora

Só restará uma estrutura de cimento e um lamento desse lugar.

Com nome de passarinho

Fui perdendo a liberdade e a vontade de desaguar.

Hoje mal molho minhas lágrimas,

Porque nem lágrimas me restam pra chorar.

 

Editado por Tribuna do Recôncavo |Fonte: Itirucu Online